quinta-feira, 30 de outubro de 2008

pragmatismo romântico

era pragmático, acima de tudo. romântico também. normalmente duas características que não costumam andar juntas, mas que no seu caso coexistiam de forma pacífica.

ao terceiro desgosto amoroso, prometeu a si próprio uma contrapartida: por cada desprazer que se seguisse, compensaria em trabalho, exigindo de si uma certa quantia monetária, proporcional ao tamanho do sentimento.

assim foi. o seu lado romântico lançava-o de cabeça em cada relação. em várias relações. cabeçada na parede ali, pedrada na testa acolá. meses de recuperação, que se revertiam na conta bancária. ali não havia ressaca, entrava só em modo trabalhador-insaciável e recuperava do desgosto.

proporcionalmente ao seu dinheiro, aumentaram as pretendentes e as pretendentes aumentaram os problemas.

a sua vida foi repleta de paixões e quedas do cavalo. milionarizou-se à custa disso.

quando morreu, era o 83º homem mais rico do país.

o estado ficou com tudo, pela inexistência de herdeiros.

2 comentários:

Henry Michkin disse...

ahah tá bem esgalhado sim sr broder. A lot of pussy, not just one, a lot of pussy eheh ;P

Andreia do Flautim disse...

Uma pessoa farta-se de trabalhar para depois morrer e não levar nenhum!!